sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Jerry Lee Lewis e amigos

Jam sessions: tocar sem saber o que vem pela frente, de improviso. No jargão dos músicos nacionais é mais ou menos “dar uma canja”.

Muita boa literatura foi produzida assim, de improviso, a toque de caixa, sem muito planejamento. Oh The Road, de Jack Kerouac, e Naked Lunch, de Willian Burroughs, que o digam.

Nelson Rodrigues interrompia a redação de suas crônicas na redação do jornal onde trabalhava para tomar uma média (café com leite) num boteco. Era para aplacar a úlcera que o atormentou durante toda a vida.

Os amigos, de sacanagem, acrescentavam palavras ou trechos ao texto enquanto ele estava fora.

Alguns desses acréscimos ele tirava fora. Outros ele mantinha e dizia em voz alta para quem quer que os tivesse colocado: “Boa! Boa!”. E seguia em frente de onde o "colaborador" tinha parado.

Certa vez Bob Dylan alugou um estúdio só para promover jam sessions com os músicos com os quais tinha afinidade. Algumas dessas sessões foram pirateadas e podem ser hoje baixadas pela internet.

Apareceram por lá Eric Clapton, Neil Young, Paul McCartney, Mick Jagger, John Lennon, George Harrison e, principalmente, músicos country, como Johnny Cash.

Os Stones participaram de várias jam sessions com outros músicos. Um dos textos desta edição do blog refere-se a uma delas com Muddy Waters. 

Em 2006, Mick Jagger, Keith Richards e Ronnie Wood levaram Jerry Lee Lewis, aos 71 anos, para um estúdio. Sem muito ensaio, começaram a gravar o que rolou.

A jam session era comemorativa a outra da qual Lewis participara, em 1956, com Elvis Presley, Johnny Cash e Carl Perkins.

Lewis, Perkins, Presley (ao piano) e Cash

Perkins, Presley e Cash já se foram. O velho Lewis continua por aí. É da estirpe do Richards: sobrevive a tudo...

A jam sessions de 2006 logo contou com o acréscimo do saxofonista dos Stones: o texano Bobby Keys.

Lewis foi se empolgando e convidou mais gente. A coisa resultou numa senhora farra de músicos.

Estiveram por lá Jimmy Page, B.B. King, Bruce Springsteen, Neil Young, Robbie Robertson, John Fogerty, Ringo Starr, Rod Stewart, Eric Clapton, Bud Guy, Little Richards, Kris Kristofferson e outros cobras.

Desse ajuntamento descompromissado surgiram as 21 faixas do excelente CD Last man standing e, posteriormente, um grande show do velhote com seus amigos de várias gerações.

As canções são do próprio Lewis e de outros compositores. Ele se diverte à beça no piano e no vocal. Vejam uma pequena amostra no vídeo a seguir:


Nenhum comentário:

Postar um comentário