sexta-feira, 15 de novembro de 2013

O que temos de mais concreto?

Da segunda metade dos anos 1950 para cá eles influenciaram um bocado a produção cultural brasileira.

Inclusive a daqueles que a eles se opuseram sistematicamente.

Refiro-me ao trio que criou o movimento de poesia concreta no país: os irmãos Augusto (1931) e Haroldo de Campos (1929-2003) e Décio Pignatari (1927-2012).

Dos três, o único na ativa é Augusto.

Também foram importantes outros poetas e críticos que estiveram bem próximos deles: Ferreira Gullar, José Lino Grünewald, Mário Faustino, Boris Schnaiderman e José Paulo Paes.

A influência da estética construtivista da poesia concreta encontra-se entranhada na produção artística nacional dos meados do século XX para cá.

Na música popular é marcante na obra dos compositores do tropicalismo – sobretudo de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Os Mutantes e Tom Zé.

Disco Tropicalia: arranjos de Rogério Duprat e capa de Rogério Duarte

Rogério Duprat (1932-2006), arranjador da fase mais inventiva do tropicalismo, bem como do disco Construção, de Chico Buarque de Holanda, e dos três principais discos dos Mutantes, era do movimento concretista...



Jards Macalé, parceiro de três excelentes letristas influenciados pelo movimento (Waly Salomão, Torquato Neto e Capinan) buscou parceria com o arranjador e maestro Júlio Medaglia, também vinculado ao concretismo.

O movimento permeia a vanguarda musical paulistana dos anos 1980, cujos expoentes foram Arrigo Barnabé, Itamar Assumpção e Luiz Tatit.

E a produção de dois de seus principais letristas: Carlos Rennó e Arnaldo Anthunes.

Também deixou marcas no cinema de Gláuber Rocha, Júlio Bressane, Rogério Sganzerla, Ivan Cardoso e Luís Sérgio Person.

Torquato Neto em Nosferato no Brasil, de Ivan Cardoso


Nas montagens teatrais do Grupo Oficina e do argentino Victor García. Na produção de artes plásticas de Hélio Oiticica, Lígia Clark e Lígia Pape.

Foram seus herdeiros diretos os poetas Torquato Neto (1944-1972) e Paulo Leminski (1944-1989).

A importância da poesia concreta é tamanha que será assunto recorrente neste blog.

A programação de agosto deste ano da Casa das Rosas, em São Paulo, foi dedicada ao poeta Haroldo de Campos.

Foram oferecidos cursos, palestras e recitais sobre sua obra.

Haroldo de Campos

O poema Não sabemos foi um dos expostos na mostra:

Nenhum comentário:

Postar um comentário