sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Filme dos irmãos Coen exibe cena folk dos anos 1960

Inside Llewyn Davis, aqui versado como Balada de um homem comum, é mais um bom filme dirigido pelos irmãos Joel e Ethan Coen.

Ora comédia, ora drama, tem como pano de fundo a cena folk de Nova York nos anos 1960. Um longa sobre um músico fracassado do período pré-Bob Dylan.



Llewyn Davis (interpretado por Oscar Isaac) é um cantor e violonista que tenta se recuperar da morte do parceiro compondo músicas tristes e folclóricas em 1961, quando as paradas eram dominadas por trios e quartetos vocais alegres.

Não consegue vender discos e nem atrair multidões para vê-lo nos bares. Porém, sua música é linda e antecipa um fenômeno que ganharia corpo dois anos depois com Dylan lançando The freewheelin' Bob Dylan.

Os chamados Irmãos Coen são os mais importantes cineastas estadunidenses das últimas décadas, ao lado de Quentin Tarantino, Martin Scorcese, Fracis Ford Coppola e Jim Jarmush...


Eles escrevem, produzem, editam e dirigem seus próprios filmes. Também escreveram importantes roteiros para outros diretores, assinados com o pseudônimo de Roderick Jaynes.

Ethan e Joel Coen
Começaram do nada: uma câmera Super 8 e muitas ideias. Depois fizeram cursos superiores de cinema e começaram a produzir seus primeiros trabalhos relevantes ainda como universitários.

Diferente da bosta do ensino superior de artes nacional, nos EUA se aprende e se produz arte de fato nas universidades.

Ethan chegou ao mestrado, tendo defendido tese sobre o importante matemático e filósofo da linguagem Ludwig Wittgenstein (1889-1941).

Joel foi direto para o mercado e trabalhou como assistente de produção de vários filmes.

Casou-se com a atriz Frances McDormand, em 1984, e adotaran um garoto paraguaio, que hoje é Pedro McDormand Coen, ator de vários filmes da dupla.

Frances McDormand é estrela de Fargo
e outros longas dos irmãos Coen

Em 1984, os irmãos escreveram e dirigiram Blood simple (Gosto de sangue), o primeiro filme que fizeram juntos.

Gravado no Texas, o longa é sobre um sujeito desprezível que contrata um detetive particular para matar sua esposa e o amante dela.

Fizeram 15 longas desde então. Todos de qualidade. Meus preferidos: The big Lebowski (O grande Lebowski), de 1998, The man who wasn’t there (O homem que não estava lá), de 2001.

Cena de O homem que não estava lá, com o ótimo William
Robert Thornton, que é também roteirista e diretor de cinema
É cinema comercial, de mercado, para abastecer a imensa indústria de entretenimento norte-americano pelo mundo, mas com inteligência, competência e humor
.

Cena de O grande Lebowski, com o também ótimo ator
Jeff Bridges, que participou de outros filmes da dupla

Nenhum comentário:

Postar um comentário