sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Sweet junkies

O grupo Cowboy Junkies, apesar do nome, não tem nada a ver com música rural e muito menos com drogas pesadas.

Trata-se apenas de uma marca diferenciada que define o repertório cult da turma.

São bons intérpretes de canções de Lou Reed, Bruce Sprigsteen, The Cure, Neil Young, Johny Cash e outros bambas da música popular de língua inglesa.

O CJ foi formado em Toronto, Canadá, no início dos anos 1980, pelos irmãos Michael (guitarra), Margo (vocal) e Peter Timmins (bateria) e o amigo Alan Anton (baixo).

A linda Margo Timmins tem um timbre voz diferente, que dá um tom meio blasé a quase tudo que o grupo grava.


Mesmo em estúdio canta despojada, como se estivesse num boteco...




A voz de Margo em Sweet Jane, de Lou Reed, soa mais junkie do que a de fato doidaça Nico, do grupo Velvet Underground, nos anos 1960.


Margo Timmins, do Cowboy Junkies
A seguir, a bela Nico, do Velvet Underground, em curta gravado por Andy Warhol:




Sweet Jane é uma das várias canções ou temas de canções para os quais Reed fez uma ou mais versões.

A versão original de Sweet é a gravada com o Velvet.

Mas também com o Velvet ele gravou uma segunda versão e, em 1969, a versão final (a melhor delas), que foi a utilizada pelo CJ.

O refrão – "Sweet Jane, sweet Jane, oh, sweet, sweet Jane" – na voz de Margo, do CJ, insinua-se como "Sweeeet Jane, seweeet Jane, oh, suiciiiiide, Jane”.

A canção trata de uma suposta relação entre dois personagens: Jack e Jane. Na verdade os dois são a mesma pessoa.

Ora “ele” é Jack, um banqueiro. Ora se traveste para cair nas baladas na pele da doce Jane, uma balconista.

Uma das versões da letra:

Sweet Jane

Standing on the corner, suitcase in my hand
Jack is in his corset, and Jane is in her vest, and me
I'm in a rock'n'roll band. Huh!
Ridin' in a Stutz-Bearcat, Jim
Y'know, those were different times!
Oh, all the poet, they studied rules of verse
And the ladies, they rolled their eyes
Sweet Jane! Whoa! Sweet Jane, oh-oh-a! Sweet Jane!


I'll tell you something
Jack, he is a banker
And Jane, she is a clerk
Both of them save their monies, ha
And when, when they come home from work!
Ooh! Sittin' down by the fire, oh!
The radio does play
The classical music there, Jim
"The March of the Wooden Soldiers"
All you protest kids
You can hear Jack say, get ready, ah
Sweet Jane! Come on baby! Sweet Jane! Oh-oh-a! Sweet Jane!


Some people, they like to go out dancing
And other peoples, they have to work. Just watch me now!
And there's even some evil mothers
Well they're gonna tell you that everything is just dirt
Y'know that, women, never really faint
And that villains always blink their eyes, woo!
And that, y'know, children are the only ones who blush!
And that, life is, just to die!
And, everyone who ever had a heart, oh
That wouldn't turn around and break it
And anyone who ever played a part, whoa
And wouldn't turn around and hate it!
Sweet Jane! Whoa-oh-oh! Sweet Jane! Sweet Jane. Sweet Jane
Sweet Jane. Sweet Jane


Heavenly wine and roses
Seems to whisper to her when he smiles
Heavenly wine and roses
Seems to whisper to her when she smiles
La lala lala la, la lala lala la
Sweet Jane, Sweet Jane, Sweet Jane


E uma tentativa de transliterá-la para o nosso português velho de guerra:

Doce Jane

Parado numa esquina com a maleta na mão
Jack de espartilho, Jane em seu colete, e eu só
Estou numa banda de rock n' roll. Uh!
Rodando num Stutz Bear Cat, Jim
Você sabe, aqueles tempos eram outros
Quando todos os poetas estudavam regras
E as meninas reviravam os olhos assim
Doce Jane! Oa! Doce Jane, oh-oh-a! Doce Jane!


Vou te contar uma coisa
Jack é banqueiro

Jane balconista
Ambos economizam dinheiro, ah
Quando chegam do trabalho em casa
Se sentam diante do fogo, oh!
Um rádio distante toca
Uma clássica música amarga, Jim
"A marcha dos soldados de madeira"
Para nutrir protestos infantis
Você há de ouvir Jack dizer assim: prepare-se!
Doce Jane! Venha, baby! Doce Jane! Oh-oh-a! Doce Jane!


Algumas pessoas gostam de sair para dançar
Outras preferem trabalhar. Mas há um porém
Todas tiveram uma dessas mães megeras
Que só veem sujeira no que os filhos querem
É fato que as mulheres nem sempre desmaiam
Nem os homens são vilões de olhares fera, oh!
Você sabe, há uma criança em cada um
O que faz com que a vida não esteja por um fio
E ainda tenhamos nossos corações, oh
A sangrar por algum motivo
Qualquer um que já fez um papel
Não o renega ou odeia assim
Doce Jane! Whoa-oh-oh! Doce Jane! Doce Jane
Doce Jane, doce Jane


Vinhos e rosas celestiais
Parecem sussurrar para ela quando ele sorri
Vinhos e rosas celestiais
Parece sussurrar para ele quando ela sorri
La lala lala la, la lala lala la
Doce Jane, doce Jane, doce Jane

Nenhum comentário:

Postar um comentário