terça-feira, 24 de janeiro de 2017



sim arif para quem reluz a vida

não fira quem das trevas se serve

sim arif para quem virtude é tudo

não fira quem se compraz a cumprir

sim arif para quem a causa é justa

não fira quem com lastros se ilustra

sim arif para quem quer se superar

não fira quem vê valor em louvar



            Naquela noite Ali Sabah chegou tarde, acordou uma por uma de suas mulheres e falou a respeito de uma corrida de cavalos que assistira na América. O golpe do nevoeiro. Contou detalhes de como os malandros o aplicavam. Uma imensa nuvem de poeira levantava-se após a passagem dos animais. O vento a soprava na direção do público, que não conseguia ver por algum tempo o que estava se passando em uma parte da pista. Enquanto isso, um dos jóqueis se escondia na nuvem de pó. Quando os demais passavam, saía à frente e vencia a corrida.

Disse às suas mulheres que nessa viagem estivera em cassinos, boates, desfiles de moda e vários outros ambientes expressamente proibidos aos membros do governo saudita. Não era a primeira vez que viajara ao Ocidente. Quando jovem passou longo período em Londres como estudante. Mas as lembranças da estadia na capital inglesa estiveram limitadas às salas de aula, à extensa avenida arborizada que podia ver das janelas do apartamento e às frequentes visitas à mesquita. Formado em direito internacional e ciências econômicas, retornou à Arábia, onde o indicaram para um alto cargo no Ministério do Petróleo, sob o comando do sheik Ahmed Zaki Yamani...